O pai vencedor

Image

 

Ramon era um empresário bem sucedido. Ao ter um filho, empenhou-se em ser o melhor pai do mundo e deu-lhe o nome de Felipe. Esforçava para suprir até as suas necessidades mais irrelevantes e fazia questão de comprar tudo o que ele pedia. Um dia, solicitou aprender a jogar futebol e Ramon respondeu:

– Tudo bem, vou construir um campo, aqui na mansão e pagarei o Pelé para te ensinar.

Mais tarde, surgiram cáries, negou-se a sofrer a mais ínfima aflição e Ramon respondeu:

– Tudo bem, vou pagar um dentista que conhece uma técnica rara, onde você não sentirá dor em momento algum, nem mesmo na picada da anestesia.

Por ser um grande fã de super heróis, pediu para vê-los ao vivo e Ramon respondeu:

– Tudo bem, vou pagá-los para te visitarem. (E contratou os mesmos atores que interpretaram-nos em Hollywood, para fingirem a Felipe serem verdadeiros).

Aos poucos, Ramon foi se habituando com o cotidiano paterno e teve a ideia de contratar um empregado encarregado de atender seu filho sempre. Passou então, a ter mais tempo para se dedicar aos negócios e raramente via Felipe.

Certa vez, seu empregado o chamou, desesperado:

– Chefe, seu filho disse estar sentindo falta de um significado mais profundo na vida. O que faço?

E Ramon respondeu:

– Procure a psicóloga mais renomada e pague o triplo exigido por ela.

Não deu certo e então, tentou-se o mesmo com sacerdotes, curandeiros, Gurus, Avatares… e todos falharam.

A angústia de Felipe era imensa e Ramon, pela primeira vez, conheceu a derrota. Não conseguia acreditar que após ter vivido tantas glórias, passou a estar diante de uma situação que aparentava não ter saída. 

Manteve sua busca obsessiva para encontrar as respostas exigidas por seu filho, porém deparava-se apenas com frustrações. Considerava-se um pai fracassado e seu estado de espírito melancólico, acabou afetando a sua empresa. Enquanto isso, a tortura de Felipe se expandia.

Depois de ter tentado de tudo e sofrido demais, Ramon ficou sozinho, contemplando as traves do campo da sua mansão. Pensou na sua infância triste e de repente, veio a lembrança de um dia em que passou horas jogando futebol, sem pensar em nada. Nesse exato momento, Felipe apareceu. Pediu a ele para brincarem juntos e Ramon teve a sensação de que conseguiria, pela primeira vez, ser criança.

Não esperava um êxtase tão profundo e ambos encontravam maneiras criativas de se divertirem em demasia. Ramon não conseguia parar e autorizou-o a faltar no colégio no qual, deixou-o muito feliz. Passaram a madrugada inteira desfrutando do amor, intensamente.  

A organização de Ramon superou as ameaças de falência e começaram a lucrar cada vez mais. No entanto, ele jamais deixava de passar horas e horas alegres na companhia do seu filho. Em um desses dias, Felipe não continha a iluminação que lhe aflorava e então, dirigiu-se a Ramon e disse:

– Sabe pai, você é a resposta que tanto procurei. Graças a ti, encontrei um sentido para a minha vida.

E Ramon respondeu:

– Não imagina o alívio que sinto ao saber disso. Essa foi a solicitação mais difícil de te atender, entretanto a mais recompensadora. 

Ficaram em silêncio por um bom tempo, até que Ramon lhe perguntou:

E agora filho, qual é o seu novo pedido?

E Felipe respondeu:

– Ter você do meu lado… é só o que eu peço.

Anúncios
Esse post foi publicado em Parábolas da Grande Batata. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s